Ligamos para Você
Nossa politica de privacidade e cookies Nosso site utiliza cookies para melhorar a sua experiência na navegação.
Você pode alterar suas configurações de cookies através do seu navegador.
Desc Imóveis
Desc Imóveis
Telefones para Contato

Busca de Imóveis

Selecione os critérios de busca nos campos abaixo e encontre seu imóvel dos sonhos

Como será o mercado de imóveis em 2023

Como será o mercado de imóveis em 2023
Publicado em 11/Jul/2022
Sem Categoria

A pandemia do COVID-19 mostrou que o investimento em imóveis é uma das melhores alternativas atuais, visto que promove não apenas segurança, como também boa rentabilidade para as carteiras de ativos. 

 

Inclusive, justamente por isso, muitas pessoas procuraram uma imobiliária a fim de aumentar e proteger seu patrimônio. Mas, também devemos lembrar que com a queda da taxa Selic a mínimas históricas, o mercado de imóveis se tornou bastante atrativo, visto que os juros de financiamentos diminuíram significativamente. 

 

O ano de 2021, por outro lado, foi marcado pela alta da Selic e para 2023, a previsão é passar por novas altas e atingir, até o final do ano, a média de 11,5%, segundo a projeção do próprio Branco Central. 

 

Obviamente, isso impacta o mercado imobiliário, mas não torna o cenário ruim, muito pelo contrário. Inclusive, de acordo com especialistas, a demanda por compra e venda de imóveis continuará sendo uma forte tendência para esse ano. Quer saber o porquê? Então continue acompanhando o post de hoje até o fim. 

 

O mercado imobiliário no Brasil

Como falamos, para o ano de 2023, a tendência é que as negociações de compra e venda continuem crescendo e de forma exponencial. Isso porque, o mercado imobiliário é um segmento bastante sólido no Brasil, sendo uma classe de ativos consolidada e que sempre foi vista como uma reserva de valor, principalmente quando falamos de imóveis residenciais. Portanto, para muitos brasileiros, quando as crises surgem, o imóvel continua lá, oferecendo rendimentos e lucros. 

 

As previsões para o ano de 2023 ainda coincidem com os dados de 2021, no qual as vendas de novos imóveis registraram um aumento de 46,1% no primeiro semestre, segundo a CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção). 

Inclusive, o mercado de imóveis se destaca, visto que foi o que se recuperou de forma mais rápida dos reflexos da pandemia nesses dois anos. Portanto, para o ano de 2023, a expectativa é que haja a continuidade desse movimento, com novos lançamentos de empreendimentos. 

 

Também devemos observar a locação de imóveis, pois em 2023, a tendência é a procura por lugares próximos aos transportes públicos. Pelo fato de o ano de 2021 ter terminado com altas consecutivas no preço do aluguel, isso indica que o mercado está se tornando cada vez mais movimentado e aquecido. 

 

Inclusive, os valores do preço médio do metro quadrado de diversas cidades, como Rio de Janeiro, São Paulo e Balneário Camboriú superou o patamar registrado no período pré-pandêmico. 

Novo perfil de consumidor

Até os dias de hoje, a pandemia reflete no comportamento do consumidor, sendo que nesse período, diversas alterações surgiram em relação a imóveis alugados e comprados. 

 

Isso porque, graças a ela, os indivíduos começaram a sentir maior necessidade de melhorar suas casas e apartamentos, seja pela necessidade devido ao trabalho remoto ou por maior conforto e a busca de opções maiores e confortáveis. 

 

Inclusive, mais de 30% das pessoas entrevistadas relataram que precisaram adaptar um escritório em casa, enquanto 19% destacaram que precisam de imóveis maiores. 

 

Como consequência, incorporadoras vêm investindo em empreendimentos que oferecem espaço com coworking e varandas multifuncionais para que as pessoas também possam trabalhar no home office. 

 

Além disso, a tendência é realmente criar uma mini cidade dentro do condomínio, com até mesmo loja de conveniência e lavanderia compartilhada. Inclusive, o aumento por conveniência e auto atendimento são elementos que irão ganhar ainda mais força neste ano, sendo que o impulso é proveniente dos minimercados dos condomínios que começaram a crescer ainda em 2022. 

Portanto, a tendência para o ano de 2022 e os subsequentes, é que os imóveis tenham mais quartos, sendo que os modelos de estúdios (formados apenas por um quarto) recuaram as vendas no final de 2021. 

 

Tecnologia e o mercado imobiliário

Outro elemento que irá impulsionar o mercado imobiliário em 2022 é o desenvolvimento da tecnologia, principalmente em relação à assinatura digital. Afinal, ela irá facilitar de forma significativa o fechamento de contratos de imóveis de forma totalmente remota. 

 

Junto a isso, a possibilidade de visitar os imóveis e empreendimentos de forma digital, por meio de gravações de vídeos em 360˚, também estará presente, eliminando assim, a necessidade de deslocamentos. 

 

Imóveis usados e aluguel sem fiador

Outro movimento que a demanda vem aumentando significativamente é o de imóveis usados. Afinal, aqui o comprador consegue maior custo-benefício, visto que a diferença entre esse modelo é um imóvel novo é bastante alta. 

 

Além disso, o fiador, figura bastante presente em contratos de locação, tende a ficar para trás, com novas empresas e tecnologias. 

 

Portanto, como você viu, ainda que seja um mercado antigo e tradicional, o segmento imobiliário vem se transformando a cada dia que passa, atendendo às demandas dos consumidores, além de abusar de tecnologias a fim de garantir o melhor para os usuários. Portanto, saiba que se comprar para morar ou investir em um imóvel, os retornos serão extremamente positivos.

 

Desc Imóveis. Sua Imobiliária em Balneário Camboriú.